O que representa a venda da Mercosul Line?| Portal Marítimo

Por Rodrigo Cintra

A Maersk Line decidiu vender a Mercosul Line, já se adiantando a possíveis problemas com o
CADE (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), após a compra da Hamburg Süd.

A notícia é a confirmação dos rumores que já vinham circulando no mercado e que tomaram maior volume durante a Feira Intermodal, para a qual tivemos a honra de ser convidados este ano e onde pudemos presenciar e participar de boas conversas sobre o assunto.

O cerne da questão sempre foi a situação criada com a compra da Hamburg Süd, já que a Aliança Navegação, empresa controlada pela Hamburg Süd, passaria a ser controlada pela Maersk Line.

Num cenário aonde atualmente 59% deste mercado é controlado pela Aliança e 21% é controlado pela Mercosul Line, tal fato faria com que a Maersk controlasse sozinha 80% do mercado da cabotagem no Brasil, que hoje possui apenas três operadoras: Aliança, Mercosul Line e a agonizante Log-In, que domina 20% do mercado e é controlada pelo Grupo Alasca Investimentos.

Empresas interessadas no negócio

Sabe-se nos bastidores que empresas como MSC, CMA CGM, NYK Line, Hapag-Lloyd e Cosco estão interessadas em entrar na Cabotagem, um Mercado que vem crescendo, apesar de em números bem modestos, ano a ano.

Destaque para MSC e CMA CGM, já que fontes afirmam que as duas já conversaram com a Maersk a respeito do negócio, sendo que a venda da Mercosul Line é um assunto já bem antigo dentro da empresa, desde que foram iniciadas as conversas com o Grupo Oetker para a compra da Hamburg Süd, e por motivos óbvios.

Os navios da Mercosul Line são 4 conteineros de 2500 TEUs e são esses navios que hoje conectam os outros navios da Maersk ao hub da Cabotagem Brasileira, desempenhando papel fundamental na costa leste da América do Sul.

Com a compra da Hamburg Süd, esta conexão passa a ser feita através dos navios da Aliança, uma empresa líder no setor há décadas e com um histórico excepcional de bons serviços prestados e de profissionais que realmente são o que há de melhor no Mercado, em todos os seus setores. Uma história que remonta a época em que a Aliança era controlada pelo Grupo Fischer, resultado de um alto investimento interno em qualificação técnica, otimização de processos e busca incessante pela excelência, valores que permaneceram intrínsecos na Aliança até os dias de hoje. Ter a Aliança consigo é um ótimo negócio para qualquer corporação.

Fora isso, estamos falando de um armador com uma frota de 11 navios (6 próprios e 5 afretados) modernos e extremamente operacionais. Ou seja, acaba sendo muito melhor para a Maersk acessar a Cabotagem pela Aliança do que pela Mercosul Line, já que o volume é consideravelmente maior. Como há a questão do CADE e que pode inviabilizar o negócio envolvendo a Hamburg Süd, vender a Mercosul Line já era a melhor opção desde o início.

Apesar de todos os olhos estarem voltados agora para os próximos movimentos da MSC e CMA CGM, não se pode desconsiderar o poder de fogo da japonesa NYK Line.

A empresa controlava 10% da falecida Maestra Navegação, conforme noticiamos em 2011, atuou no Brasil por três anos, de 2011 a 2014 e já vem num plano de recuperação de seu volume, como já noticiado em nossas páginas, buscando sua fusão com as japonesas MOL e K Line.

Conseguir uma fatia da cabotagem brasileira seria algo formidável para a NYK e sua vontade para este objetivo não pode, nem deve, ser desconsiderada, já que também existe uma questão estratégica envolvendo uma linha já existente ligando Japão, Manaus e Santos, importantíssima para o Comércio Internacional.

A Log-In, como já é sabido, anda mal das pernas, porém, domina 20% do mercado da Cabotagem.

Não consideramos provável, mas também não podemos considerar impossível que NYK e MSC entrem no mercado da cabotagem brasileira, sendo que a venda da Mercosul Line pode ser apenas o início da mudança da cara de nossa Cabotagem e talvez a chance de algum novo operador entrar em nosso país e dar mais fôlego à atividade, operando a Mercosul ou até mesmo integrando Mercosul e Log-In, quem sabe?

Desta forma, a Maersk Line controlaria 59% do mercado enquanto os outros 41%, uma fatia considerável, poderiam ser controlados por um ou mais operadores. Mais que apenas a cabotagem, esta considerável fatia poderia ligar um operador global com o mercado local oferecendo aos seus clientes uma operação integrada e única em um serviço porta a porta sem a necessidade de terceiros.

A cara de nossa cabotagem vai mudar.

Fonte: O que representa a venda da Mercosul Line?Portal Marítimo | Portal Marítimo

%d blogueiros gostam disto: