Governo federal recebe propostas para porto turístico em Balneário Camboriú | Diário Catarinense

Foto: Lucas Correia / Agencia RBS via ClicRBS

A Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) deu prazo até 4 de maio para receber propostas de empresas de todo o país que tenham interesse na instalação de porto turístico na Barra Sul, em Balneário Camboriú. O anúncio público é o primeiro passo para viabilizar a entrada definitiva da cidade no mercado das escalas de cruzeiros. A próxima etapa será a avaliação dos projetos no Ministério dos Transportes.

O trâmite integra os processos de autorização dos dois projetos já apresentados à Antaq _ o de um porto turístico de apoio, apresentado pela empresa Bontur, e o de uma instalação portuária de turismo plena, com possibilidade de operar como home port, local onde os passageiros podem iniciar ou terminar o cruzeiro.

A diferença entre as duas propostas é o modelo de operação. O primeiro prevê a ancoragem do navio em alto-mar e o transporte dos passageiros até terra firme em embarcações menores, os tênderes. A Bontur, dona do projeto, recebeu com sucesso o primeiro fundeio experimental no início do mês, quando 4,3 mil passageiros chegaram à cidade a bordo do navio MSC Preziosa, e já tem 30 escalas previstas para o próximo verão.

Já o projeto do BCPort, desenvolvido pelo prático André Guimarães através da empresa PDBS, prevê a construção de uma estrutura na extensão do molhe da Barra Sul para que os navios possam atracar no local. A proposta de receptivo inclui um hotel seis estrelas e um shopping no atracadouro.

A Antaq não informou se já há outros projetos inscritos, além desses dois. Mas é fato que o interesse das empresas de cruzeiros em operar em Balneário Camboriú tende a estimular a apresentação de novas propostas. Adrian Ursilli, diretor-geral da MSC Cruzeiros no Brasil, acompanhou de perto a manobra do navio Preziosa no dia 6 de abril, e comentou que há anos não se lançam novos destinos no Brasil. Ele acredita que a viabilização das escalas em Balneário possa representar uma retomada de crescimento do mercado de cruzeiros no país.

A empresa está otimista. Tanto, que trará de volta para o Brasil mais um navio na próxima temporada (serão quatro) e pretende aumentar em 40% a oferta de passagens. Para os destinos, a principal vantagem está no gasto que o turista que chega a bordo dos cruzeiros tem por escala: R$ 466 por pessoa, segundo levantamento da Associação Brasileira de Cruzeiros Marítimos (CLIA Abremar). Se confirmadas as 30 escalas em Balneário no próximo verão, a movimentação econômica pode chegar a R$ 50 milhões em comércio e serviços _ um investimento que não se restringe ao local de escala, já que muitos turistas aproveitam para conhecer as cidades do entorno.

Impulso

O processo de Balneário deve impulsionar o mercado em Santa Catarina, considerado promissor. A CLIA Abremar tem atuado junto ao píer de Porto Belo para viabilizar o alfandegamento, que permite a nacionalização dos navios, incentiva a construção de um novo terminal turístico em Itajaí, que já não comporta o tamanho dos transatlânticos que navegam pela costa brasileira, e também trabalha para implementar uma instalação portuária de turismo em Florianópolis.

A capital recebeu recentemente a visita de operadores de cruzeiros e está passando por um levantamento hidrográfico na baía norte. A intenção dos operadores é oferecer no futuro minicruzeiros partindo de Santos com escalas em Balneário e Florianópolis.

Prazo

No documento da agência, o prazo previsto para o término do processo de Balneário Camboriú é de cinco meses e terminaria em outubro. Mas é possível que seja prorrogado devido ao acúmulo de processos no Ministério dos Transportes, que desde o ano passado incorporou também a complexa área portuária.

Segundo Eduardo Queiroz, gerente de Autorização de Instalações Portuárias (GAP) da Antaq, a análise do Ministério dos Transportes é que vai dizer se o mais viável para Balneário Camboriú é escolher um dos modelos, se os dois tipos de portos podem conviver no mesmo espaço, ou até se a cidade não comporta nenhum deles.

Concluída a avaliação de viabilidade, o processo retorna para a Antaq para que os empreendedores complementem a documentação, com autorizações ambientais, da Marinha e da Secretaria de Patrimônio da União (SPU). As empresas também terão que pagar um valor de caução de até R$ 500 mil, como garantia de que o empreendimento aprovado será construído.

Fonte: Governo federal recebe propostas para porto turístico em Balneário Camboriú – De Ponto a Ponto – Notícias – Diário Catarinense

%d blogueiros gostam disto: