Frutas do Vale são mais exportadas por portos de Estados vizinhos | ABRAFRUTAS

por ABRAFRUTAS

As frutas do Vale do São Francisco concentram as suas exportações em Portos dos Estados vizinhos

As exportações de frutas do polo Petrolina-Juazeiro continuam se concentrando em portos de outros Estados do Nordeste. Com uma unidade em Petrolina e outra em Juazeiro (ambas no Sertão do São Francisco), a empresa Special Fruit movimenta cerca de 600 contêineres por ano, mas não envia nem uma caixa de fruta pelo Porto de Suape. “No ano passado, 50% das nossas cargas saíram por Pecém (no Ceará), 30% por Natal (RN) e 20% por Salvador , na Bahia”, diz o diretor Administrativo e Financeiro da empresa, Ivanildo Barbosa.

“A nossa maior preocupação é chegar logo. Evitamos navios que fazem muitas paradas. Em Pecém, conseguimos embarcar a carga numa linha que sai direto para Roterdã (na Holanda). Isso é muito importante para quem transporta um produto tão perecível como fruta”, explica Ivanildo.

O Porto mais próximo do polo de fruticultura irrigada é o de Salvador, a 513 km de Petrolina. O de Suape está a 749 km e o de Pecém, a 835 km. Por isso, o frete rodoviário mais barato é o de Salvador. “Direcionamos a nossa carga a Pecém, porque é mais eficiente. Já ocorreu, pelo menos umas cinco vezes, de enviarmos contêineres para Salvador e o navio não conseguir atracar lá por causa de congestionamento de embarcações. Resultado: tivemos que pagar outro frete para o mesmo contêiner embarcar em Pecém”, afirma.

O frete para Pecém pode até ser mais caro entre os três portos citados acima. No entanto, o custo do THC (movimentação de um contêiner no porto até embarcar dentro do navio) em Pecém é mais barato do que em Suape. “Cada contêiner fica por R$ 500 a mais em Suape”, argumenta Ivanildo, sem revelar exatamente o preço. </DC>A Special Fruit manda uva e manga para Holanda, Inglaterra, Espanha e Estados Unidos.

Também instalada em Petrolina, a Cooperativa Agrícola Nova Aliança divide a sua exportação nos portos de Salvador (60%) e Pecém (40%). Anualmente, envia cerca de 200 contêineres de uva ao exterior. Somente para o leitor ter uma ideia, cada contêiner armazena em média 14 toneladas de uva.

A cooperativa usa o Porto de Suape somente para importação das cumbucas (caixinhas de plástico) usada na embalagem das frutas. “O frete de Petrolina para o Porto de Salvador é mais barato. Usamos Pecém quando temos pressa para exportar a produção”, conta a gerente de logística da cooperativa, Barbara Siqueira.

Matéria completa e pesquisa no site da ABRAFRUTAS em Frutas do Vale são mais exportadas por portos de Estados vizinhos

%d blogueiros gostam disto: