Brasil e Irã buscam meta de US$ 5 bilhões no comércio bilateral | Export News

Por Adriana Nicacio via Export News

Governos dos dois países apresentam alternativas para a falta de financiamento privado às exportações. Bancos brasileiros têm receio de manter relacionamento com os iranianos e sofrer punições por sanções dos Estados Unidos

14/08/2017 – O Irã é um país estratégico por sua posição na Ásia Central. No Oriente Médio possui um mercado consumidor de 80 milhões de pessoas e sua economia está em crescimento. No ano passado, após a suspensão das sanções americanas, seu PIB cresceu 13% e esse potencial não passou despercebido pelo Brasil. Levantamento da Confederação Nacional da Indústria (CNI) mostra oportunidades em pelo menos 203 produtos de dez setores brasileiros. A dificuldade é como financiar as exportações, já que os bancos brasileiros não mantêm relacionamento financeiro com o Irã, por receio de sofrer punições dos Estados Unidos.

Em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e apoio do Banco Central do Brasil e do Ministério das Relações Exteriores, nessa última quarta-feira (9) a CNI organizou o Seminário Relações Econômicas Brasil – Irã. O evento contou com a participação do presidente do Banco Central do Irã, Hossein Yaghoobi, e do embaixador do Irã no Brasil Seyed Ali Saghaeyan, além de autoridades e empresários brasileiros.

O embaixador do Brasil no Irã, Rodrigo Azeredo, explicou que o novo desafio é convencer os bancos brasileiros de que eles não estão sujeitos a punições, caso negociem com o Irã. No curto prazo, Azeredo lembrou que os bancos iranianos possuem uma grande rede de acordos de correspondentes bancários com instituições na Europa e na Ásia, que podem ser usados pelas instituições brasileiras.

Além disso, o Banco Central do Brasil e do Irã começaram a estudar a possibilidade de utilizar o sistema de pagamento em moedas locais, entre os bancos centrais. “É claro que esse sistema de pagamento em moedas locais ajuda, facilita, mas nunca substituirá as relações bancárias que são sempre importantes”, disse Azeredo. Existe ainda a possibilidade de se abrir uma linha de financiamento de longo prazo com o BNDES, que seria um arranjo financeiro entre os governos com as garantias negociadas, para projetos estruturantes.

Matéria completa no portal Export News, em Brasil e Irã buscam meta de US$ 5 bilhões no comércio bilateral | Export News

%d blogueiros gostam disto: